Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017

Resort / Porto de Galinhas

Praia de Muro Alto - PE

Foto: Praia de Muro Alto

Se você está com excesso de peso, lutando contra a gordura, faz dieta e não consegue emagrecer, uma boa solução é passar uns dias num SPA. Há vários espalhados pelo Brasil, uns muito caros, outros nem tanto. É uma questão de pesquisar. Embora já tenha pensado nisto, ainda não tive a chance de ir e nada posso indicar.

Agora, se você trabalhou demais o ano inteiro, teve muitas preocupações, está cansado, estressado, ou mesmo se apenas precisa relaxar, uma boa solução é passar uns dias num resort. Há vários espalhados pelo Brasil, na montanha, na praia, provavelmente de diferentes padrões, mas todos oferecendo as atrações básicas que os caracterizam.

Tentei encontrar uma palavra em português para esse tipo de acomodação, ainda não consegui. Basicamente, é um hotel com todos os serviços, cercado por extensa área de recreação, em geral com mais de uma piscina, e oferecendo um grande número de opções de lazer. Pode-se comparar a um cruzeiro em terra.

É ideal para casais com crianças pois os recreadores se encarregam de entretê-las, deixando os pais mais livres para curtir e descansar. Também agrada a casais mais velhos, que não precisam se preocupar com coisa alguma, pois têm à mão uma boa infra-estrutura de lazer e esporte e muita diversão. Considerando-se tais características, pode parecer que não é um lugar dos mais adequados para casais jovens, sem filhos. Engano! Conheço vários que foram, gostaram e voltaram.

Quanto a nós, nem sei por quê, poucas vezes nos hospedamos em um resort. Nos instalamos com mais freqüência em pousadas ou pequenos hotéis. Mas acho que está na hora de incluir, de quando em quando, uma temporada num. É muito cômodo e extremamente relaxante. Além disso, é possível fazer um pacote, diretamente ou numa agência de turismo, e fica bastante accessível.

Sempre gostei de praia. Todos os anos, ao se aproximar o verão, iniciava com prazer e grande expectativa os preparativos para a temporada. Comprava biquínis novos, escolhia um bom bronzeador, mais tarde substituído por filtro solar, quando os efeitos nocivos da exposição ao sol começaram a ser divulgados, um chapéu, uma bolsa de praia, ou ambos, dependendo da necessidade e do que encontrava a meu gosto, e mais o que fosse preciso.

Na medida em que as manhãs iam ficando mais quentes e ensolaradas, me preparava toda e começava a ir à praia, aqui mesmo no Rio, primeiro por pouco tempo, pra não me queimar demais. Ia aumentando o tempo de exposição ao sol aos poucos até adquirir um bom bronzeado. No auge do verão, já não precisava mais me preocupar. Podia ficar na praia quanto quisesse.

E depois, nas minhas férias, fazia questão de passar alguns dias numa estância à beira-mar. Podia ser no litoral fluminense, no Nordeste ou muito freqüentemente na Bahia. E aí era só praia, praia, praia, o tempo todo. Pé no chão, short, cabelo curtinho pra não dar trabalho, água quente ou fria, lá estava eu, toda ligada no mar. E se, por qualquer motivo, tal não acontecia, sentia falta e reclamava durante o resto do ano.

Quando fui ficando mais velha, mais comodista, mais enrolada, um problema aqui, outro acolá, de joelho, ombro, osso, articulação, necessidade de fisioterapia, musculação, fui abandonando sem sentir meu hábito tão saudável de ir à praia. Lá uma vez ou outra eu ia. Mas, sem ter me preparado, me queimava demais, ficava toda doída, e perdia o embalo.
Este ano tomei uma decisão. Voltar a fazer minha temporada de praia. Na verdade, não tive muita chance de ir aqui no Rio logo que o verão começou. Mas não dispensei a semana à beira-mar.

Optamos por um resort no Nordeste, que nos foi recomendado por um jovem casal e confirmado por outros mais velhos. Não tinha como errar. Fizemos um pacote, com vôo, translado e estadia. Muito conveniente.

Nosso resort fica na Praia de Muro Alto, próximo a Porto de Galinhas, no litoral sul de Pernambuco. Tem tudo aquilo que mencionei acima e ainda o delicioso café da manhã nordestino com direito a tapioca feita na hora.

A princípio, fiquei um pouco decepcionada porque essa praia, água azul-esverdeada do Nordeste, ondas comportadas arrebentando ao longe, maravilhoso visual, não se presta ao banho de mar. Inclusive, recebeu este nome devido às falésias de três metros que formam um verdadeiro “paredão” e impossibilitam a entrada dos banhistas. Excelente pra caminhar - areia batida, pequenas piscinas rasas na beira onde refrescar os pés, mais adiante um magnífico coqueiral. Mas e o banho de mar, que tanto curto?

No primeiro dia, tive que me contentar com o banho... de piscina. Aliás, nem era o caso de ficar frustrada pois no resort há um conjunto de piscinas de todos os tipos e profundidades. Para todos os gostos, menos o meu.

No dia seguinte, seca por um banho de mar autêntico, nos mandamos para Porto de Galinhas, que tem uma praia espetacular mas fica a 10 km. Tivemos de pegar um ônibus e pagar por cadeiras e barraca, quando tínhamos tudo isso, e muito mais, no nosso resort. Ainda mais,
estava muito quente, abafado. Não sentimos aquela brisa que nos tinha acompanhado na véspera. Mas o que fazer? Eu tinha que entrar na água salgada DO MAR.

Acontece que devido a essas idas e vindas o Cardoso ficou extremamente queimado e no terceiro dia não pôde ir à praia. Nem na frente do hotel, muito menos em Porto de Galinhas.

Fui dar minha caminhada e descobri o “piscinão”, do qual já tinha ouvido falar e não lembrava. É a piscina natural mais profunda da região, com aproximadamente dez metros, própria tanto para banho como para passear de barco. Fica bem pertinho do hotel e tem um “ponto de apoio”. Isto quer dizer cadeiras e barraca, água de coco, refrigerantes, etc. Não chega a ser aquela praia com a qual tinha sonhado, com ondinhas brancas arrebentando na areia, mas é de água salgada e ótima para nadar. Salvou minha temporada de praia.

Porto de Galinhas - PE
Foto: no resort

E, na volta, aleluia! estou conseguindo ir diariamente.

Porto de Galinhas

Localizado no município de Ipojuca, a 60 quilômetros de Recife, Porto de Galinhas é atualmente um dos locais mais visitados do litoral nordestino. A praia tem como grande atração as piscinas naturais de águas mornas e cristalinas, de um verde-azul cintilante, onde se podem admirar pequenos peixes coloridos e muitas outras espécies marinhas. O acesso às piscinas é feito em jangadas, que ficam aguardando os visitantes na beira da praia. São coloridas e fotogênicas e o trajeto é bem curto, tranqüilo. Nada de sustos nem enjôos. É só descer da jangada e curtir.

Além das piscinas, há uma extensão de quatro quilômetros de praia, areia branca, onde o banho de mar é delicioso. É verdade que em plena temporada o trecho mais próximo do centro fica muito cheio e, às vezes, um pouco tumultuado, com tantos barraqueiros tentando atrair possíveis fregueses e ambulantes oferecendo mil coisas para se comprar.
A vila, dita dos pescadores, é charmosa e possui infra-estrutura de primeira, com bares, restaurantes, hotéis e pousadas. Adorei vasculhar as lojinhas de artesanato e descobri muita coisa atraente: objetos de barro originais, esguias estatuetas de cabaça, bolsas e carteiras de palha de buriti, roupa de cama e mesa com bordados e aplicações coloridas, de muito bom gosto e criatividade. Adorei, também, as “galinhas” de Porto de Galinhas. Estão por toda a parte! São peças de decoração, motivo dos bordados, indicação de lugares, e por aí vai. Até mesmo os orelhões são por elas protegidos. Um barato!

Ouvi dizer que o povo local é simpático e hospitaleiro, mas não deu tempo para conferir. Deu para perceber, no entanto, que estão empenhados em manter o lugarejo limpo e em ordem, mesmo no auge da estação, com tantos turistas.

Porto de Galinhas - PE
Foto: restaurante em Porto de Galinhas

No sábado, abrimos mão da refeição do pacote e fomos para lá à noite. Estava animadíssimo! Na praça principal uma apresentação do maracatu. Bares, restaurantes, lojinhas tudo cheio. Fizemos algumas comprinhas. Jantamos num restaurante recomendado por uma amiga e provei o beijupirá, delicioso peixe da região. Cardoso escolheu camarão, servido com fatias de manga grelhada e arroz de alho-porró. Lambeu os beiços. De acordo com ele, uma refeição antológica. Mais um motivo para voltarmos a Porto de Galinhas.

2 receitas
Os bolos típicos de Pernambuco são o bolo-de-rolo e o Souza Leão.
O de rolo ficou tão conhecido que atualmente aqui no Rio pode ser encontrado em várias delicatessens e até mesmo em algumas confeitarias.
Já o Souza Leão só encontrei lá.
A receita do bolo-de-rolo tenho há muito tempo e me foi dada por uma quituteira pernambucana que trabalhou para a minha família e que a executava com perfeição.
Não é difícil, mas é muito trabalhosa e requer paciência.
Quanto ao Souza Leão consegui agora nesta viagem e ainda não tive a chance de fazer, mas vou experimentar logo. Vocês podem encontrá-las selecionando o menu Receitas.

Copyright © 2007 • Myrthes Lima • Todos os direitos reservados • Dicas Culturais RioNossaDica